skip to Main Content

O Futebol que Destrói Vidas

O Futebol Que Destrói Vidas

Conheci o trabalho do jornalista Mauro Cezar Pereira assistindo ao programa Linha de Passe, da ESPN Brasil, na época que ainda contava com a participação do ótimo Juca Kfouri.

O Mauro Cezar é um jornalista provocativo. No jargão popular, pode-se dizer que ele “não arrega para ninguém”, e que é um dos poucos da imprensa esportiva que fala de assuntos para além do campo de jogo, como se comprova ao ouvir o podcast Muito Mais do Que Futebol, que conta com Leandro Iamin e Lúcio de Castro.

Ouvindo o citado podcast, em um dos episódios, o Mauro Cezar falou de um caso investigado pelos colegas de profissão Marcelo Courrege e Leslie Leitão. Achei tamanha loucura que fui saber mais sobre a história que indignara o Mauro Cezar.

A matéria original foi ao ar no programa Esporte Espetacular, que passa na Globo aos domingos pela manhã. Achei o conteúdo completo na internet (com data de 01/09/2019) e, ao terminar de ler e assistir ao vídeo, senti a mesma indignação do Mauro. Veja a palhaçada:

Tem um jogador brasileiro que se chama Fernando, revelado pelo Grêmio, e que fez jogos pela Seleção Brasileira. O jogador foi para o Leste Europeu, Ucrânia, para ganhar toneladas de dinheiro. Em 2016, ele foi jogar no futebol russo, no Spartak Moscou.

A Rússia é um país incrível e complicado, basta ver o presidente com ares de monarca que não libera casamento homoafetivo. Pior: tem uma política heteronormativa bem violenta, como se vê no documentário To Russia With Love.

No final de 2018, Fernando e família convidaram o casal Simone Barros e Robson Oliveira para trabalhar para eles na Rússia. Já haviam tido a experiência com Simone, que é cozinheira, que trabalhou em um réveillon no Brasil para o jogador.

O casal iria ganhar R$ 14 mil na Rússia, um valor muito alto e que não tinham a menor perspectiva de ganhar no Brasil. No dia 9 de fevereiro de 2019, o casal, que não tinha passaporte e nunca havia andado de avião, partiu para o país de Putin, com tudo organizado pelo staff (coisa linda!) do jogador. Pois bem, ao que parece, o staff deu uma mala para Robson levar e, chegando na Rússia a casa caiu: duas caixas de um remédio liberado no Brasil, o Mytedon – cloridato de metadona – 10 mg, estavam na mala que deram ao Robson e lá é proibido, proibido no sentido do Robson ter sido indiciado por Tráfico Internacional de Drogas.

O casal foi liberado 17 horas depois e começaram a trabalhar para Fernando e família. O remédio em questão era para o sogro de Fernando, que mora com ele. A condição para o casal ser solto era apresentar documentos do médico que receitou a medicação para Willian Pereira, o sogro. O que ninguém parece ter explicado ao Fernando é que não bastava apresentar um documento: alguém iria ser indiciado, no caso, o sogro. Fernando foi, no dia 18 de março à delegacia, porém, sem a receita; o sogro, por sua vez, não foi prestar explicações. Resultado: Robson foi preso.

Mandaram a Simone de volta para o Brasil, o jogador de futebol foi transferido para a China, deixando Robson lá, que ainda está preso. Como é que alguém faz isso? Tenho acompanhado o Mauro Cezar lembrando o caso, que conta com o acompanhamento do Marcelo Courrege, uma espécie de vigília em busca de justiça.

O deputado Marcelo Freixo, que já atuou em um caso estranho ocorrido na Rússia pediu intervenção do governo para ajudar Robson. Nada, por enquanto.

Como lembra o Mauro Cezar, Fernando um dia vai voltar ao Brasil. Ele está ganhando milhões e o pobre Robson, abatido e muito magro, está lá preso a mais de um ano .

A situação é muito complicada. As leis russas são duras, o Robson está preso em um lugar onde ninguém fala sua língua e até o procurador público havia saído do caso (não sei se já ajustaram isso)

Sigo acompanhando a situação por intermédio do jornalista, que além de lembrar recorrentemente deste caso, relembra todo mês, no dia 8, que os meninos do Ninho do Urubu não estão tendo justiça por parte do Flamengo, clube para o qual o Mauro Cezar torce.

Curiosidade: Robson foi para Rússia no dia 09/02/2019, um dia depois do acidente do Ninho do Urubu, que matou 10 adolescentes. 24 horas que mostram o lado sombrio do futebol, que destrói vidas, enquanto poucos seguem enriquecendo sem peso na consciência.

Veja a matéria original e completa sobre o caso, clicando aqui. Acesse aqui o perfil do jogador no Instagram, que não está atualizado, onde se lê: “Um homem abençoado, casado com uma mulher linda (@rapharivoredo)❤💍 Papai de dois príncipes (Enzo e David)  Jogador do Spartak Moscow. ⚽️🏃🏽‍♂️”. Faltou criminoso.


Leia mais crônicas de Leonardo Cássio aqui.


Photo credit: ryry9379 on VisualHunt.com / CC BY-NC-SA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *